15 de dezembro de 2014

as nossas manhas

























o pequeno só quer saber de panquecas e descobriu os prazeres de um leite chocolatado. o grande só quer saber de fruta e cerelac e nunca mais voltou aos seus cereais favoritos.

14 de dezembro de 2014

13 de dezembro de 2014

é quase natal 2

























-eu sei que o combinado é uma prenda mas eu só quero duas, a professora disse que se pode pedir duas!
-(grrrrr professora a ajudar/desajudar)
-mama mas a c. tinha uma lista de prendas que nunca mais acabava!
-mama eu só queria um skate e uma prancha de surf! mais nada!

12 de dezembro de 2014

é quase natal 1

























havia um filho, às vezes prendas compradas e, em consequência, conversas convergentes. uma prenda em destaque, tudo a funcionar. outro filho, a ir apouco em cantigas e conversas, gostos muito próprios:

-quero uma bateria!
-um piano?
-uma bateria!
-uma flauta?
-uma bateria!

...bateria encontrada eis que surge um carro dos bombeiros que tenha uma luz da sirene incluída.

-mama já estou farto que as minhas professores falem do natal!
-ai é?
-sim! podes pedir para não falarem mais do natal?

7 de dezembro de 2014

festa é festa
















































não deixamos nenhum momento ao acaso, solto, por partilhar, por viver. saltamos entre duas casas, agarra-mo-nos, voamos para o colo uns dos outros, recuperamos, respiramos fundo. improvisamos, a vida sai de improviso com aquilo a que tem direito. ela, a vida, continua a correr, por ali fora, dentro dos seus próprios trilhos. nós a vê-la a correr, ora do lado de fora, ora do lado de dentro, ora em carruagens mais dianteiras, ora nas outras de segunda classe mas sempre ali a controlar-lhe a velocidade. arfamos de cansados. sai-nos do pêlo. mancamos, corremos a mancar. o mundo a girar, nós a fazermos quilómetros. a ver mundo, a agarrar o nosso mundo.

2 de dezembro de 2014

do espontâneo aparente


























o dicionário está no quarto à mão, feitas as apresentações ficou em repouso até ao dia da iniciativa prórpria. o mapa veio do aeroporto e foi esmiuçado por sua conta e risco.

1 de dezembro de 2014

advento



















uma luz quente para estes dias em que o inverno se aproxima de vez. a receita é simples, inclui rolos de papel higiénico e furadores. encaixa-se uma vela e está pronto a aquecer o ambiente e a refletir imagens. podemos decorar ou pintar os rolos antes de os furar. a nós agrada-nos este ar tosco iluminado e espalhado por uma mesa de jantar. e é tão simples quanto eficaz.

27 de novembro de 2014

os inventores

















































há canetas e lápis de todas as cores que desde o início do ano lectivo não mais pararam. os lápis sempre como agulhas desaparecem numa velocidade não prevista. as minas partem, a minúcia permanece e na hora em que o trabalho corre veloz inventam-se novas técnicas como esta: o bico afiadíssimo partiu mas encaixado na tampa da bic da mesma cor tem garantida toda uma nova vida. os episódios vão entrando devagarinho.

24 de novembro de 2014

23 de novembro de 2014

heart

















só para anotar que o cordão se prendeu na escada rolante e o coração bateu quando o arrancamos à força.

18 de novembro de 2014

o pormenor


a vida tem muitas perspectivas. olhar sempre as melhores mesmo nos dias menos óbvios.

15 de novembro de 2014

tenho o suskind cá em casa

























- estou a cheirar da professora susana. 
- cheira-me do papa
- cheira-me assim a qualquer coisa

13 de novembro de 2014

importa ser crocodilo



























-mama quem é esta senhora aqui neste livro?
-é a escritora, quem escreveu o livro
-como o josé fanha?
-sim como o josé fanha
-mama quando for grande quero ser escritor, médico, astronauta e crocodilo. mas crocodilo a sério
v 40 meses

7 de novembro de 2014

cuspimos para o ar e caiu-nos em cima




















































redimimo-nos ao halloween e decidimos optar pela miscigenação de conteúdos disponíveis, reconstruimos as nossas próprias tradições e cedendo a muitos pedidos fizemos um jantar atrasado. meia hora a preparar a festa surpresa. as tradições também têm um começo. sempre nos aculturamos, cruzamos tradições. levamos e trouxemos. misturamos e aglutinamos. assim seja.

5 de novembro de 2014

filho pequeno






















chia um chiar prolongado a entoar nos ouvidos a persistir nos quereres. urge descobrir uma forma de reversão sob pena de um descontrolo permanente de parte a parte. 
cheira. cheira-lhe a pessoas e a momentos. o mundo dele tem cheiros. cheira-me a vóvó, cheira-me a aldeia, cheira-me a titi ou a primo, cheira-me a casa de não sei quem, cheira-me a alguém, cheira-me a praia. quase imergimos em episódios engendrados por Suskind num gigantesco armazém de odores e aromas que o transportam a pessoas, a momentos  e a sítios. 
sonha. diz que está já a sonhar antes de adormecer. que anda a cavalo, de coisas que sabem a gelado, um sem fim de temas. quer histórias e cd's em modo repetido. reclama a roupa e agora pede tpc's.

1 de novembro de 2014

27 de outubro de 2014

this moment



ri te






















inspira muito muito fundo, enche muito os pulmões, tanto quanto possível para que não fique nenhum espacinho sem ar. mergulha. nada devagarinho e os dias passam. coleciona dias. ri sem ti. vem à tona. expira. baralha-se tanto para tão pouco tempo. o ar sai muito muito rápido. numa golfada de ar.

20 de outubro de 2014

aqui fui muito feliz

















colecionam-se momentos selecionados, juntam-se aqui num cantinho. escreve-se uma história, triada, como todas as histórias. a maior parte dos momentos são felizes, uns mais , outros menos, outros assim assim. mas para aqui, para atiram-se menos vezes os infelizes. alguns não interessam mesmo, mesmo para nada.

18 de outubro de 2014

desafios

























ao cair da noite propus-lhe personalizar uma t'shirt lisa com o exercício com que se defronta agora quase todos os dias. aceitou registar todo o abecedário por ordem, sem critério entre maiúsculas ou minúsculas. desafio aceite com prazer bastou uma caneta de desenhar em tecido. poderá funcionar como um arquivador de memória, as primeiras curvas do alfabeto ficarão ali a marcar quando a porta da escolarização se abriu.

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982